Dia do livro! :-)

13:45


Hoje, 29 de outubro, comemora-se o Dia Nacional do Livro. O primeiro que fui apresentado, a cartilha que me ensinou a ler, me deixou encantada. Eu me lembro muito bem de como a professora Lourdes era doce para me ensinar a ler e escrever. Inesquecível 1ª série. Depois, na 4ª série, a professora Ana Maria nos levava até a biblioteca da escola para escolhermos um livro, ler algumas partes e fazer redações. O tema era livre. Por causa dela eu me apaixonei pela escrita. Ler e escrever são dois dos grandes prazeres de minha vida. Na escola, tive chance de ler livros dos quais eu não me achava pronta para: O Alienista, O Primo Basílio, Ensaio sobre a Cegueira, O Mundo de Sofia, A Hora da Estrela. Prometi a mim mesma que os lerei novamente, com um novo olhar, agora que estou mais 'madura'. Tenho certeza que me surpreenderei. 

Ao longo de tantos anos lendo, alguns me marcaram profundamente. 
  • Nas margens do rio Piedra eu sentei e chorei, Onze Minutos, O demônio e a srta. Pryn, do PC;
  • Amar se aprendendo amando, de Drummond;
  • A Doçura do Mundo, de Thrity Umrigar;
  • Sobre Alice, de Calvin Trillin;
  • Feliz por Nada, de Martha Medeiros; 
  • Perdas e Ganhos, da Lya Luft;
  • Variações sobre o Prazer, de Rubem Alves;
  • Faça o seu coração vibrar, de Osho;
  • As cinco linguagens do amor, de Gary Chapman.
Estão em andamento três que estão super interessantes; os três com um contexto totalmente diferente, dependendo da viagem diária que eu quero fazer:
  • A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera;
  • A elegância do ouriço, de Muriel Barbery;
  • Tempo de Esperas, do Padre Fábio de Melo.
Tentei duas vezes ler "Crime e Castigo", de Dostoievski, mas o livro é tão descritivo que me cansou as duas vezes. Não tocou. Ler um fichamento será suficiente, rs. 

E assim vamos sendo tocados pela alegria e o milagre que um bom livro pode fazer a nossa alma. 
Bom demais! 

Deixo um trecho de cada um deles:



- Nas margens do rio Piedra eu sentei e chorei: "Todos os dias Deus nos dá um momento em que é possível mudar tudo que nos deixa infelizes. O instante mágico é o momento em que um 'sim' ou um 'não' pode mudar toda a nossa existência."


- Onze Minutos: "Durante toda a minha vida, entendi o amor como uma espécie de escravidão consentida. É mentira: a liberdade só existe quando ele está presente. Quem se entrega totalmente, quem se sente livre, ama o máximo. E quem ama o máximo, sente-se livre. Por causa disso, apesar de tudo que posso viver, fazer, descobrir, nada tem sentido. Espero que este tempo passe rápido, para que eu possa voltar à busca de mim mesma - encontrando um homem que me entenda, que não me faça sofrer. Mas que bobagem é essa que estou dizendo? No amor, ninguém pode machucar ninguém; cada um de nós é responsável por aquilo que sente, e não podemos culpar o outro por isso. Já me senti ferida quando perdi os homens pelos quais me apaixonei. Hoje estou convencida de que ninguém perde ninguém, porque ninguém possui ninguém. Essa é a verdadeira experiência da liberdade: ter a coisa mais importante do mundo, sem possuí-la."


- O Demônio e a Srta. Pryn: "O Bem e o Mal têm a mesma face; tudo depende apenas da época em que cruzam o caminho de cada ser humano."


- Amar se aprende amando: "O ser busca o outro ser, e ao conhecê-lo acha a razão de ser, já dividido. 
São dois em um: amor, sublime selo que à vida imprime cor, graça e sentido."


- A Doçura do Mundo: "...Esse é um amor ilimitado, imorredouro, que não restringe, não aprisiona e nem retém, mas sai dançando à nossa frente como um espírito luminoso, que atrai a chama até que o sigamos, atravessando todo o universo"


- Sobre Alice: "A primeira impressão era de que ela parecia estar mais viva do que qualquer pessoa que eu vira antes. Parecia brilhar. Mal nos falamos naquela noite, não sei exatamente por quê. Mas, duas semanas depois, já tendo feito alguma investigação, tendo me liberado de outros compromissos e tendo encarado como boato o comentário vago de um conhecido sobre o fato de Alice estar praticamente noiva, dei um jeito de ir à outra festa onde sabia que iria encontrá-la. Eu não podia dizer que estava lá por acaso; nos assuntos do coração, mesmo quem depende da sorte precisa tomar algumas iniciativas calculadas. "

- Feliz por Nada: "A paz que tanto procuramos não está na previsibilidade e na constância, e sim no reconhecimento de que ambas inexistem: nada é previsível nem constante. E isso enlouquece a maioria das pessoas. Quer dizer que não temos poder nenhum? Pois é, nenhum"

- Perdas e Ganhos: "Os ganhos ou os danos dependem da perspectiva e possibilidades de quem vai tecendo a sua história. O mundo em si não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui identidade, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem. Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada."

- Variações sobre o prazer: "Encantam-me os eucaliptos velhos, suas cascas duras, rugosas, grossas, escuras, rachadas. repentinamente, elas se soltam: debaixo delas surge um eucalipto rejuvenescido, casca verde-creme, lisa, sobre ela a mão desliza com prazer. Nós, humanos, para renascer, temos que esquecer - abandonar a casca velha para que a nova apareça -, as cascas vazias das cigarras presas aos troncos das árvores são um passado subterrâneo que teve que ser abandonado para que o ser voante nascesse. A educação é um processo de sucessivas demãos de tinta sobre o corpo: cascas. O esquecimento e a desaprendizagem são as sucessivas raspagens em busca do esquecido."

- Faça seu coração vibrar: "Sempre que houver alternativas, tenha cuidado. Não opte pelo conveniente, pelo confortável, pelo respeitável, pelo socialmente aceitável, pelo honroso. Opte pelo que faz o seu coração vibrar. Opte pelo que gostaria de fazer, apesar de todas as consequências."

Amor ao mundo. 
Meu beijo, 
L. 

You Might Also Like

0 comentários

Subscribe